segunda-feira, 15 de novembro de 2021

Há 100 anos nascia Maria de Barros Silva


Maria de Barros, nasceu no Sítio Gameleira, na então Vila de Brejão de Santa Cruz, Garanhuns - PE, em 7 de julho de 1921. Filha de Manoel Euclides de Barros (Mané de Né) e Maria Tenório de Barros. Neta de Antônio Herculano de Barros, Laurinda Tenório de Jesus, Manoel de Barros Silva Né (Mané de Né, Tenente da Guarda Nacional) e Inácia Padilha de Barros; bisneta de Herculano de Barros Silva, Cordulina Francisca de Barros, Bernardo de Barros Silva e Delmira de Barros Silva.

Maria de Barros casou com Luiz de Barros Silva (Lulu) em 01 de julho de 1944, cerimônia realizada pelo Juiz de Direito Dr. Lito de Azevedo Silva Filho. O casamento religioso foi realizado no dia 20 de novembro de 1943, pelo Padre Cornélio, na Igreja São Sebastião em Garanhuns.

Maria  sempre residiu no Sítio Gameleira, nunca deixou seu torrão, cresceu entre os cafezais, fruteiras e a criação de gado, a próspera Vila de Brejão naquela época era conhecida como o  "Celeiro de Garanhuns". 

Do casal nasceram seis filhos: Manoel, Ulisses (in memoriam), Luiza, Maria, José e Ivandete (foto abaixo). Maria de Barros Silva faleceu em 29 de julho de 1980 aos 59 anos de idade. Anchieta Gueiros é neto e afilhado de Maria de Barros Silva.

segunda-feira, 19 de abril de 2021

A infância e a família de Ulisses

Ulisses em 1954 com 8 anos de idade

Os pais de Ulisses, Luiz de Barros Silva (Lulu) e Maria de Barros Silva, casaram-se em 01 de julho de 1944, cerimônia realizada pelo Juiz de Direito Dr. Lito de Azevedo Silva Filho. O casamento religioso foi realizado no dia 20 de novembro de 1943, pelo Padre Cornelio, na Igreja de São Sebastião em Garanhuns. Agricultor, Lulu  residia no Sítio Gameleira, distrito de Brejão, Pernambuco, filho de Ulisses Viana de Barros e Amélia Joventina Guimarães. D. Maria de Barros Silva, doméstica, também residia no Sítio Gameleira, filha de Manoel Euclides de Barros e Maria Tenório de Barros. Do casal nasceram seis filhos: Manoel, José Maria, Ulisses, Ivandete, Luiza e Maria José.

Ulisses nasceu nesta casa, no Sítio Gameleira. Na foto a primeira da direita para a esquerda, sua mãe, Maria de Barros Silva

Ulisses Viana de Barros Neto, nasceu em uma terça-feira, às 18h em 12 de novembro de 1946, no Sítio Gameleira, Distrito de Brejão de Santa Cruz, Garanhuns, Pernambuco. Foi batizado na Igreja da Santa Cruz em Brejão pelo Padre Cornélio. Padrinhos: José Custódio das Neves e Florípedes Santana Neves. Madrinha de Apresentação Amélia Vicente de Barros e Inácia Barros. Crismado na Igreja da Santa Cruz em Brejão em 1956, pelo bem aventurado Dom Francisco Expedito Lopes. 

Luiz de Barros Silva (Lulu), pai de Ulisses
Sua primeira Comunhão foi realizada na época em que Ulisses estudava no Grupo Escolar Francisco Ferreira de Barros, no Distrito de Miracica, Garanhuns, pelo Padre Matias Lemmens, Pároco do Bairro da  Boa Vista em Garanhuns. 

Manoel Euclides de Barros (Mané de Né) - Avô
de Ulisses
Manoel Euclides de Barros (Mané de Né), Maria Tenório de Barros (Lica), Ulisses Viana de Barros e Amélia Joventina Guimarães, avós de Ulisses.

Manoel de Barros Silva Né, Inácia Padilha de Barros, Antônio Herculano de Barros e Laurinda Tenório de Jesus seus bisavós.

Certidão de Nascimento de Manoel Euclides de Barros

Certidão de Nascimento de Maria Tenório de Barros

Fotos do Sítio Gameleira





SÍTIO GAMELEIRA - ULISSES ENTRE AMIGOS E FAMILIARES NA DÉCADA DE 1960


Amigos de Ulisses

João de Barros Souto (João Velho) na década de 1930







João Barros Souto (João Velho) na década de 1970


Sítio Gameleira

Maria de Barros Silva (Sua Mãe)
Maria Tenório de Barros "Lica" - Sua Avó
Luiz Dantas de Barros (Lula)
Inácia Herculana de Barros (Novinha)
Felícia Barros Souto
Adélia Barros Souto
Luíza de Barros Souto Cavalcanti
Josefa Anacleto Barros
Rosa de França Bonita
Maria de Fátima Barros Souto (Fátima)

Sítio Aguazinha - Iati - PE

João de Barros Souto (João Velho)
Maria Barros Gueiros

"A separação permite a Saudade mas nunca o Esquecimento"

Sítio João XXIII, 12 de Novembro de 2007  - Garanhuns - PE


Texto de Ulisses (12 de Novembro de 2007)

Tios de Ulisses

Maria Amélia de Barros Silva (Chiquitique)

Augusto Viana de Barros, Antônio Viana de Barros, Maria Amélia de Barros (Chiquitique), Antonia Amélia de Barros (Totonha), Domitila Amélia de Barros, Úrsula Amélia de Barros (Dindoza). Todos nascidos na localidade Sítio Lagoa Cavada - Iati, Pernambuco

Antônio de Barros Silva, nasceu no Sítio Gameleira, Brejão, Pernambuco.

Escritos de Ulisses

Os Aldeões do Sítio Gameleira - Décadas de 1950, 1960, 1970 e 1980

Sítio Gameleira, Brejão - PE - Ulisses nasceu neste torrão agrestino

José Augusto de Barros
Inácio Barros Souto
Elias Barros Silva  (Elias de Né)
Manoel Euclides de Barros  (Mané de Né)
João Inácio Barros Souto
Daniel Barros Silva
José Barbosa
João Barbosa (Juca)
Osmindo Souto
José Araújo Carvalho (Zé Dinda)
Manoel Carvalho de Araújo
Joventina Andrade
Imídio Anacleto
Manoel Araújo Gueiros (Mané Coreta)
Luiz de Barros Silva (Lulu)
Antônio Barros Silva
Valeriano Araújo Carvalho (Zé Dinda)
Manoel Dionizio (Maninho)
Antônio Torres Galindo (Antônio França)
José Augusto de Barros
Capitão Augusto Cesário de Araújo
Ananias Barbado
Aristides Belizário
Antônio Jacinto de Lima
Joaquim Poço
Manoel Costa
José Augusto Barros Souto (Dudinha)
Antônio Augusto Barros Souto

Escritos (anotações) de Ulisses

Colegas de Ulisses no Grupo Escolar Francisco Ferreira de Barros - Distrito de Miracica - Anos 1959 e 1960

Distrito de Miracica - Garanhuns
Antônio Herculano Dantas - Cuca
José Herculano Dantas Barros - Zezito 
Geraldina Herculano Barros Tenório
Maria Gueiros 
Antônio Cezário Neto
Maria Almeida de Barros
Nereide Almeida de Barros
Ivaneide Almeida de Barros
Maria José Almeida de Barros
João Almeida de Barros
Maria Luiza Guimarães
Maria Luiza Barros
Josefa Vicente de Barros
Ivo Barros Souto
Luzia Barros Souto
Dimas Barros Souto
Severino Barros Gueiros
Cicero Barros Gueiros 
Antonio Gueiros de Barros
Luzia Barros Gueiros
José Barros Gueiros
Geraldo Barros Gueiros
Marluce Barros Costa
Josefa Barros Costa
Vilma Barros Costa
Palmira Gomes Acebíleo
Ivo Rodrigues
Severina Rodrigues
Ivaneide Rodrigues
Maria José Rodrigues
Maria Barros Silva
Antonia Dantas de Barros
Maria José Dantas de Barros
Nereide Gueiros de Barros
Manoel Viana de Barros
Luiza de Barros Silva - Mariza
Luzia Barros Souto
José Maria Barros Souto
José Neves de Barros
Tereza Neves de Barros
Sebastião Barros Souto
Guilherme Barros Souto
Luiz Gonzaga Claudino
Jose Maria Pereira Conde
Jacinobre Cardoso
José Cardoso
Edivando Sinésio Souto
Antônio Barros Souto
Severina Barros Souto
Clara Barros Souto
Helena Barros Souto
Maria José Barros Souto
Sebastião Barros Souto
Agilberto Barros Souto
Nivando Barros Souto
Maria Vilma Ferreira Barros
Antônio Ferreira Barros
Jose Maria Ferreira Barros
Maria José Ferreira Barros
Maria de Lourdes Souto Silva
Severina Barros Viana
Demerval Barbosa Barros
Antonio Luiz Barbosa Barros - Dôda
Maria Bernadete Barbosa Barros

Professoras

Ivonete Ferreira Barros
Ivandete Ferreira Barros
Guiomar Barros Souto
Tereza Neves Barros



Anotações (escritos) de Ulisses

Proprietários de terras no Sítio Gameleira no Século XIX

Sítio Gameleira - Documento de 4 de maio de 1867

* Ursula Maria das Virgens tinha terras na Gameleira em 1859. Vendida por seu filho Antônio Manoel de Barros.

* Inácio Dias da Silva e Izabel Ferreira de Araújo em 1867.

* Manoel Dias da Silva Gueiros, sua mulher Euze Francisca de Barros, seu filho Claudino Gerônimo da Costa em 1887.

* Custódio Ferreira Costa, sua mãe Alexandrina Francisca de Barros proprietária em 1895.

Gameleira - Árvore que deu origem ao nome do Sítio onde Ulisses nasceu

Gameleira - Árvore simbolo do Sítio Gameleira - Brejão - PE
As semente da gameleira (Ficus doliaria) são espalhadas pelas fezes dos animais que se alimentam de seus frutos, em especial os morcegos frutívoros – que são, de um modo geral, os maiores dispersores de sementes, superando até mesmo os macacos nesse quesito.

A gameleira ou figueira-mata pau  é usada, como o nome diz, para fabricação de gamelas - vasilhames de madeira. Seu leite também serve como vermífugo,  mas apenas por aqueles que conhecem bem os segredos das terapias fitoterápicas, uma vez que seu uso incorreto pode ser perigoso. Sua madeira é usada ainda para caixotaria leve e para miolo de portas e painéis.

Trata-se de uma árvore  bastante utilizada na arborização de grandes áreas urbanas e rurais, devido à sua sombra densa, assim como para recomposição de matas ciliares e áreas degradadas. Os frutos são consumidos por macacos, morcegos, aves e outros animais, que disseminam largamente suas sementes. O plantio na beira dos rios é especialmente recomendável, pois, além de servir alimento à fauna terrestre, seus frutos são bastante consumidos também pelos peixes.

Quando adulta, a gameleira atinge até 20 metros de altura e dois metros de diâmetro, destacando-se na paisagem. Sua casca é espessa e dura e possui folhas ovais, de bordas lisas e verde-escuras,  glabras na  face superior  e  com minúsculos pelos na face inferior. 

Nome comum: cerejeira, doliária, figueira, figueira-branca, figueira-brava, figueira-grande, gameleira, gameleira-de-cansaço, gameleira-de-pinga, gameleira-de-purga, guaporé, ibapoi, pau-bicho-amarelo, gameleira-branca

Políticos da Região do Sítio Gameleira nos Séculos XIX e XX

Eleições realizadas em 20 de outubro de 1892, foi definido a formação do primeiro governo do município de Garanhuns.

A apuração dos votos das urnas das quatro secções que funcionaram apresentou o seguinte resultado: Para prefeito o Major Antônio da Silva Souto, 204 votos e Dr. Severiano Peixoto, 158 votos; para Sub-prefeito - O Capitão Napoleão Marques Galvão, 205 votos e Joaquim Ferreira dos Santos Melo, 156 votos; para o Conselho Municipal (vereadores) - Pascoal Lopes Vieira de Almeida e José  Alves da Silva Tororó, 207 votos cada um, Vitorino Alves Monteiro, Augusto Cesário de Araújo (político da Região do Sítio Gameleira), Antonio Paes da Silva Souto e Agostinho José de Goes, 206 votos cada; Joaquim Correia Brasil Júnior, 157 votos; João Batista Chaves Peixoto e Manoel Bezerra de Vasconcelos, 156 votos cada um; Francisco Peixoto Vilela e Silvério Ribeiro, 155 votos cada, e José Teles Furtado, 154 votos. Com os cidadãos que obtiveram maioria de votos, tanto para o poder executivo como para o legislativo, que se compunha de 9 membros, todos com o mandato  de três anos, foi constituído o primeiro governo autônomo do Município.

Nos finais do período de governo do Major Antonio da Silva Souto, a ala política que por ele era chefiada, passou a ser chefiada pelo Dr. Luiz Afonso de Oliveira Jardim, enquanto que a oposicionista continuou sob a orientação do  Dr. Severiano do Rego Chaves Peixoto, preparando-se, ambos, para o pleito que se realizaria, como de fato se realizou, em 30 de setembro de 1895. Apuradas as urnas, verificou-se a seguinte votação: Para Prefeito - Manoel Antonio de Azevedo Jardim, 631 votos; e Joaquim Correia Brasil Junior, 210 votos, para Sub-prefeito Jácomo de Matos Coelho Sampaio, 631 votos; e Vitorino Alves Monteiro, 209 votos; para  o Conselho Municipal (vereadores) - Lourenço Tenório Vila Nova, 406; Júlio Tavares de Miranda, 404 votos; Augusto Cesário de Araújo (político da Região do Sítio Gameleira) e José Alves da Silva Tororó 402 votos cada um; Pascoal Lopes Vieira de Almeida, 401 votos; Miguel Quirino dos Santos, Joaquim Rodrigues Carrapateira e Francisco Peixoto Vilela, 227 votos cada; João Araújo de Albuquerque, Cândido José de Barros Silva e Lúcio Lopes da Silva, 225 votos cada; José Ovídio Muniz Falcão, 213 votos; Antonio de Moraes Campelo, 211 votos; Joaquim Alves Barreto e Joaquim José de Carvalho, 210 votos cada; Júlio Eutímio da Silva Brasileiro, 209 votos; Henrique Teles Furtado, 208 votos; Joaquim Targino de Azevedo, 194 votos e mais sete outros candidatos que obtiveram insignificante votação cada um. 

Eleições realizadas em 10 de setembro de 1898 cuja apuração teve o resultado seguinte: Para Prefeito o Tenente-Coronel Francisco Veloso da Silveira 558 votos, e o Alferes Joaquim Firmo da Silva Viana, 558 votos e Francisco Luiz Pereira de Melo, 131 votos; para conselheiros Municipais (vereadores), Miguel Quirino dos Santos, João Francisco da Silva, Joaquim Rodrigues Carrapateira, Joaquim Bahia de Melo e Américo Firmo de Barros, 421 votos cada um: Tomaz Lopes de Aquino, 347 votos; Antonio Paes da Silva Rosa, Joaquim Alves Barreto Coelho, Joaquim Antonio  de Araújo, Francisco Alves Cordeiro, Antonio de Moraes Campelo, Laurindo Bezerra Vanderlei, Manoel Bezerra Vanderlei e Otávio Alves da Silva Rego, 131 votos cada; Manoel Correia de Souza e Francisco Peixoto Vilela, 211 votos cada um; Agostinho Quirino dos Santos, Manoel Rodrigues da Silva e Herculano de Barros Silva (político da Região do Sítio Gameleira), 75 votos cada um.

O décimo governo municipal foi composto pelos cidadãos eleitos sem oposição no pleito de 10 de julho de 1919, e foram eles: Coronel José de Almeida Filho e Coronel José de Souza Pereira Viana, prefeito e sub-prefeito, respectivamente. Para o poder legislativo municipal, foram votados os seguintes: Francisco de Assis Barbosa, Pedro Ivo da Silva, Felipe Neri Guimarães, Demetério Pinto da Silva Souto, Esperidião Guilherme de Azevedo, Tomaz da Silva Maia, Manoel Bento Dantas, Macionilo Ferreira de Mendonça, Azarias Salgado de Oliveira Vasconcelos, Idalino Ferreira de Melo (político da Região do Sítio Gameleira - filho do Capitão Américo Ferreira de Melo), Antonio Marques da Silva Café, João Leitão de Albuquerque, Francisco da Silva Souto, Manoel Alves do Nascimento, Antonio Pereira dos Santos Rocha, José Vieira dos Santos, Pedro Quirino dos Santos e Abdias de Noronha Branco.

Nas eleições realizadas em 9 de setembro  de 1922, foram eleitos o professor Luis de Barros Correia Brasil e o Coronel Euclides Dourado, para prefeito e sub-prefeito, para conselheiros municipais (vereadores), foram votados os seguintes cidadãos: José de Almeida Filho, Tomáz da Silva Maia, Augusto Peixoto dos Santos  Rocha, Felipe Neri Guimarães, Antonio de Melo Dantas, Francisco Grossi, Manoel Bento Dantas, Joaquim Alves Barreto, João Fernandes da Silva, João Leitão de Albuquerque, Idalino Ferreira de Melo (político da Região do Sítio Gameleira - filho do Capitão Américo Ferreira de Melo), Pedro Correia Vilela, Lindolfo Marques Cavalcanti, Belarmino de Paula Santos, Antonio Marques da Silva Café, Abdias de Noronha Branco, Raimundo de Oliveira Cavalcanti e Ernesto Leite da Silva. Foram empossados os noves primeiros, juntamente com o prefeito e sub-prefeito, em 15 de novembro do mesmo ano de 1922, cujos mandatos passaram a ser exercidos por quatro anos.

Nas eleições realizadas em 1976, no município de Brejão, Manoel Viana de Barros (irmão de Ulisses) é eleito vereador. Manoel Viana de Barros nasceu no Sítio Gameleira.

Tipos Populares do Sítio Gameleira

Maria Bonita

Coqueiro Imídio (Manoel Imídio Anacleto) - Era um tipo andarilho, o mesmo era capaz de andar 70 km para dar um recado. Era muito inteligente e decorou o folheto de cordel da velha Chica do Fundão, gostava de cantar coco e tocava pandeiro.

Maria Bonita - Mulher muito honesta, ficava sobre sua responsabilidade vigiar milhares de sacas de café.

Seu Cambute - Passou toda sua vida negociando vários objetos com sua jumenta, era seu ganha pão.

Joaquim Jacó - Homem muito honesto de primeira grandeza, o mesmo passou toda sua vida carregando fretes em sua Besta, o seu irmão Zé Jacó tinha a mesma profissão, no Sítio Alto do Gôgo.

Zé Picau - Bebia muito e levou toda sua vida como andarilho.

Maria Piaba - Era uma andarilha e vivia como pedinte e gostava de cantar.

Manoel da Paciência - Tipo popular que durante anos passava na Gameleira com vários burros carregados de banana para Saloá - PE

Pitiguari - De estatura baixa, vivia da região do Sítio Gameleira sobre a ajuda das pessoas. Faleceu em Saloá na década de 1960.

Manoel Preto - Faleceu em 2012.  Contava muitas estórias com o amigo Zé Picau.

Escritos (anotações) de Ulisses

Título de Eleitor de Antonio de Barros Silva - Tio de Ulisses



Certificado de Dispensa de Incorporação do Serviço Militar de Ulisses em 1967



Há 100 anos nascia Maria de Barros Silva

Maria de Barros , nasceu no Sítio Gameleira, na então Vila de Brejão de Santa Cruz, Garanhuns - PE, em 7 de julho de 1921. Filha de  Manoel ...